Vacina HPV 2 2020 – Como Tomar, Quando e Efeitos Colaterais

A vacinação é a melhor forma de se manter protegida contra diversas doenças e evitar complicações. A vacina contra o HPV protege as pessoas de uma Infecção Sexualente Transmissível (IST) provocada pelo vírus Papilomavírus Humano, transmitido através do contato pelas mucosas da região oral, genital e anal.

Quando infectados, os pacientes podem ter verrugas nas regiões mucosas e, dependendo do tipo de vírus, há o risco de complicações sérias como câncer. Sabe-se que a infecção provocado pelo HPV do tipo 16 e 18 é a maior causa dos casos de câncer do colo do útero.

Isso pode ser prevenido com a imunização. Saiba mais sobre a vacina HPV e as campanhas em 2020 na leitura a seguir.

Vacina HPV

Como funciona a vacina HPV 2?

A vacina contra o HPV protege as pessoas contra diferentes tipos do vírus Papilomavírus, um vírus que muitas vezes não provoca sintoma algum. Em alguns pacientes, a doença causa verrugas e pode ser, nos casos graves, o fator desencadeante de um tipo de câncer.

Por ser uma IST e sabendo que a vacina não é um tratamento, a forma de tentar prevenir e reduzir ao máximo a chance de infecção pelo vírus se dá pela aplicação de doses ainda em uma idade em que os meninos e meninas possivelmente ainda não iniciaram sua vida sexual.

Portanto, a vacina é distribuída para todas as meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos pelo SUS, de forma gratuita.

A vacina é aplicada em um esquema de 2 doses. A primeira é aplicada e a segunda deve ser tomada após 6 meses da primeira dose.

São dois tipos de vacina disponíveis, a vacina HPV 2 (protege contra os tipos 16 e 18) e vacina HPV 4 (protege contra os tipos  6,11,16,18), que se diferem na quantidade de tipos do vírus que protegem e nas doenças prevenidas.

Nesse caso, a HPV 2 é a mais recomendada para prevenção do câncer do colo do útero, por exemplo.

É importante ressaltar que o uso de preservativos é indispensável mesmo após receber as doses. A vacina contra o HPV protege apenas contra alguns tipos do papilomavírus humano. Portanto, o risco de contrair qualquer outra IST existe e deve ser prevenida.

Qual o grupo prioritário para receber a vacina HPV 2 em 2020?

A faixa etária prioritária nas campanhas de vacinação do HPV focam em meninas com idade a partir de 9 anos e meninos com idade a partir dos 11 anos, pois quanto mais precoce melhor será para evitar a transmissão.

Outros grupos prioritários para a vacina são as pessoas portadoras do vírus HIV e pessoas transplantadas na faixa etária de 9 a 26 anos.

No entanto, pessoas que estão fora da faixa etária também podem tomar, mas dependendo da idade de início da aplicação podem ser 3 doses e não 2.

Depois dos 15 anos, por exemplo, são 3 doses. A segunda deve ser tomada dois meses após a primeira e a terceira dose deve ser tomada seis meses após a primeira.

Meninas e mulheres que possuem alguma condição imunossupressora devem tomar 3 doses, independente da idade.

Quem não deve tomar essa vacina?

A vacina contra o HPV não deve ser tomada por gestantes e pessoas que tenham alergia grave a qualquer um dos componentes da vacina, sendo ela composta por proteínas L1 do papilomavírus humano tipos 16 e 18, 3-O-desacil-4 monofosforil lipídio A (MPL), alumínio, cloreto de sódio, fosfato de sódio monobásico diidratado e água para injeção.

Quais documentos levar?

Para receber a vacina do HPV 2 nas campanhas de 2020 basta ir até a unidade de saúde mais próxima que esteja aplicando as doses e apresentar documento e a carteirinha de vacinação.

Datas e locais para vacinação do HPV em 2020?

A vacina pode ser aplicada durante todo o ano em qualquer posto de saúde, de forma gratuita. Em clínicas particulares de vacinação também é possível tomar as doses.

A vacina HPV 2  causa efeitos colaterais?

A vacina contra o HPV não exige cuidados antes e depois da vacinação. Também é incomum que as pessoas tenham reação alérgica. Pode ocorrer, no entanto, dor no local, vermelhidão, inchaço e febre.

Rafaela Trevisan Cortes

Rafaela Trevisan Cortes, jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Revoltada por natureza, vê na comunicação uma oportunidade de extravasar a sua paixão por curiosidades, arte e conhecimento.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content