Vacina da gripe São Gonçalo 2020 → Como tomar, Quem pode e Documentos

Se você é de São Gonçalo e quer saber tudo sobre a campanha de vacinação contra a gripe no ano de 2020, confira este artigo que preparamos para você, sanando todas as possíveis dúvidas que você possa ter a respeito da vacina da gripe!

Como funciona a vacinação para a Gripe em São Gonçalo 2020?

Todos os anos, o Ministério da Saúde, com o intuito de proteger a população contra os principais tipos de vírus da gripe que ameaçam a região da América do Sul, promove a chamada “campanha nacional da vacinação contra a gripe”.

No ano de 2020, não será diferente: espera-se que grande parte da população seja beneficiada com a vacina. E, ao contrário do que muitos pensam, a vacina não coloca a pessoa em risco, pelo contrário: auxilia no fortalecimento do metabolismo contra o vírus em questão.

No início, apenas uma parcela da população pode tomar a vacina, o chamado grupo prioritário. Porém, a partir de determinada data, a vacina é ampliada para a outra parcela da população. Por isso, é importante estar atento às datas para não ficar de fora desta campanha.

Vacina da Gripe São Gonçalo

Grupos prioritários – Quem deve tomar?

Inicialmente, a vacina é destinada a apenas uma parte da população, que compõe o chamado grupo prioritário, ou seja, pessoas que, de alguma forma, estão mais propensas a contraírem o vírus.

Fazem parte do grupo prioritário as seguintes categorias:

  • Crianças entre 1 e 6 anos incompletos;
  • Grávidas (em qualquer período gestacional) e puérperas (que se encontram num período de até 45 dias após o parto);
  • Trabalhadores da saúde, tais como médicos, enfermeiros, funcionários administrativos ou estudantes que atuam na área, em estágios, por exemplo;
  • Professores de escola pública ou privada;
  • Povos indígenas, em qualquer faixa etária, desde que residam no país;
  • Idosos com mais de 60 anos;
  • Indivíduos que cumprem pena no sistema prisional brasileiro ou jovens, entre 12 e 21 anos, que cumprem medidas socioeducativas, bem como os funcionários do sistema prisional, tais como guardas, seguranças ou funcionários do setor administrativo;
  • Portadores de doenças crônicas não-transmissíveis ou de condições clínicas especiais.

Não faço parte do grupo prioritário, e agora?

Se você não faz parte do grupo prioritário, não precisa se preocupar: depois de algum tempo de vacinação do grupo prioritário, a vacina é liberada para o restante da população. Porém, as doses são escassas e acabam rápido. Portanto, dirija-se ao posto de saúde mais próximo da sua casa quando a vacinação for estendida para todos os grupos.

Caso você não queira esperar ou não tenha conseguido tomar uma das doses, você pode optar por pagar pela vacina indo em hospitais da rede privada. O preço, nesse caso, varia entre R$ 100,00 e R$ 200,00 ou mais. Mesmo sendo mais cara, pode ser uma boa opção, especialmente por proteger contra quatro tipos de vírus da gripe, e não apenas de três, como a vacina gratuita.

Como, quando e onde tomar

Ainda não há informações oficiais a respeito das datas da campanha de vacinação contra a gripe no ano de 2020. Porém, tomando como base as campanhas passadas, pode-se presumir que ela ocorra entre o começo de abril e o final de maio (para os grupos prioritários) e que, a partir do começo de junho, ela passe a valer para toda a população, enquanto durarem os estoques.

Para tomá-la, basta se dirigir ao posto de saúde ou UPAs mais próxima de sua residência, munido da documentação necessária, que será tratada no próximo item.

Veja como tomar a vacina da gripe em outras cidades:

Documentos necessários

Para tomar a vacina no período destinado aos grupos prioritários, é preciso levar documentação que comprove o seu pertencimento aos grupos em questão. Por exemplo, caso você se inclua na categoria de portador de doença crônica, será necessário levar prescrição médica que ateste a doença.

Para todos os casos, será preciso levar a carteira de vacinação e um documento de identificação com foto, como o RG.

Contraindicações

A vacina é contraindicada para os seguintes casos:

  • Pessoas com alergia muito grave a ovo;
  • Bebes com menos de 6 meses de vida;

Os efeitos colaterais são praticamente nulos. O único possível efeito colateral é uma pequena irritação no local da vacinação. Embora alguns pacientes relatem terem desenvolvido os sintomas da gripe após a vacinação, a explicação é simples: isso ocorre porque a vacina demora até três semanas para surtir efeito e, nesse tempo, há chances da pessoa contrair a doença.

Rafaela Trevisan Cortes

Rafaela Trevisan Cortes, jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Revoltada por natureza, vê na comunicação uma oportunidade de extravasar a sua paixão por curiosidades, arte e conhecimento.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content