Vacina DT 2020 (Dupla Infantil e Adulto) – Como funciona e quando tomar

A melhor forma de se manter protegido contra doenças é buscando a prevenção. A vacina é uma forma de se fazer isso e é por isso que existe um Calendário Nacional. Nele, existem duas variações de vacinas que podem oferecer proteção contra doenças como difteria e tétano, a vacina DT é uma delas.

Essa vacina dupla pode ser administrada na infância e na vida adulta, pois a proteção precisa ser reforçada de tempos em tempos.

O mais comum é que as pessoas recebam a vacina DTP ou DTPa (dose acelular para adultos), a vacina tríplice que oferece proteção contra difteria, tétano e também contra coqueluche.

Para saber mais sobre a vacina DT e onde tomar a vacina em 2020, continue a leitura!

Vacina Dupla

Quais doenças a vacina DT protege?

A DT, vacina dupla, protege contra o tétano e a difteria. O tétano é uma doença provocada por uma toxina produzida por um bacilo tetânico. Normalmente, essa infecção se dá pelo contato da toxina através de ferimentos ou lesões na pele.             É comum pessoas que tiveram cortes e arranhões tomarem a vacina DT para prevenir.

O tétano também é uma infecção que pode ser adquirida através do cordão umbilical. Nesses casos, pode ser conhecido como mal dos sete dias ou tétano neonatal. É perigoso e pode atingir o nervoso central.

A pessoa pode ter espasmos e contrações, apresentando rigidez no pescoço e dificuldade para engolir.

Já a difteria é uma doença também causada por uma toxina, mas atinge o nariz, a pele, as amídalas e a faringe, provocando placas branco-acinzentadas na região afetada. A transmissão dessa doença é muito mais perigosa, pois se dá pelo ar, com o contato com espirro ou tosse de alguém já contaminado. Por isso, a vacina é tão fundamental para prevenir mais casos da doença.

Como funciona a vacina DT?

A vacina DT é uma vacina inativada (sem risco de causar a doença) destinada para prevenir as doenças tétano e difteria. Ela é produzida com as toxinas produzidas pelas próprias bactérias que causam a doença.

Pode ser aplicada nas crianças com idade a partir dos 7 anos e com reforços a cada dez anos.

Normalmente, o mais indicado é a DTP, que protege contra a coqueluche também. A DT é a melhor opção para crianças que possuem contraindicações para a DTP ou que já tiveram coqueluche.

Não é necessário cuidados especiais antes ou depois de receber a vacina. Se acontecer da pessoa ter efeitos colaterais, deve procurar ajuda médica.

Se na primeira dose da vacina a alergia for grave, provavelmente isso será um fator para contraindicação nas doses de reforço.

A injeção, assim como a maioria das vacinas, é uma injeção intramuscular na região do braço, mas também pode ser aplicada na região lateral da coxa.

Os adolescentes não vacinados podem receber 3 doses em um intervalo de dois meses entre as doses.

Quem deve receber a vacina DT?

Essa vacina faz parte do Calendário Nacional da Vacinação, mas o mais comum é ser usada a vacina DTA ou DTPa, por oferecer a proteção para a coqueluche também.

Mas a vacina DT  também uma opção, especialmente por aquelas pessoas que não podem receber a DTA ou que tiveram coqueluche. De modo geral, ela é indicada para todas as crianças e adultos que precisam reforçar a imunização contra as doenças difteria e tétano, por isso é necessário tomar novas doses a cada dez anos.

Quem não deve tomar a vacina DT

A vacina DT é contraindicada para qualquer pessoa que possua alergia grave (anafilaxia) a qualquer componente presente na vacina.

Datas e locais para receber a vacina DT em 2020

A vacina DT em 2020 pode ser tomada em qualquer Unidade Básica de Saúde, pelo sistema público de saúde, durante todo o ano. Basta apresentar-se ao local de acordo com o tempo certo de reforço da vacina com a carteirinha de vacinação e documento. Nas clínicas particulares de vacinação também é possível ter acesso a imunização.

A vacina DT provoca efeitos colaterais?

É incomum que vacinas provocarem efeitos colaterais graves, mas a pessoa pode sentir dor muscular, vermelhidão no local, inchaço e apresentar um quadro febril. Se os sintomas persistirem ou piorarem, o ideal é voltar ao médico.

Rafaela Trevisan Cortes

Rafaela Trevisan Cortes, jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Revoltada por natureza, vê na comunicação uma oportunidade de extravasar a sua paixão por curiosidades, arte e conhecimento.

Conheça Mais Sobre o Autor

Deixe seu Comentário

WebGo Content